lonewolf

política
Compensação sobre energia limpa

Sobre taxação sobre energia renovável   5 votos

  1. 1. Uso do vento afeta negativamente o povo brasileiro e deve haver compensação?

  2. 2. Não seria melhor incentivar que mais pessoas invistam no setor antes de criar mais taxação sobre algo ainda em desenvolvimento?


Please sign in or register to vote in this poll.

74 posts neste tópico

Avança lei que pretende cobrar impostos sobre o vento. Segundo entendimento da CCJC, a exploração econômica do vento está utilizando patrimônio do povo brasileiro e portanto o estado deve ser compensado por quem utiliza para gerar energia.

Que outras energias serão afetadas no futuro, solar, das marés? 

Qual o sentido em sufocar um setor que mal começou a se desenvolver e iria prover mais energia para a população?

E se uma pessoa coleta para uso pessoal ela teria que pagar imposto por isso?

Citar

Criada em 2015, a PEC 97/2015 passou quase dois anos e meio parada na Câmara, mas foi retomada por outro socialista – Tadeu Alencar (PSB-PE) – em outubro. Em seu parecer como relator na “Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania” (CCJC) da Câmara, Tadeu afirmou que o uso do vento é uma “atividade econômica que afeta diretamente direitos do povo brasileiro” e “utiliza recursos naturais pertencentes ao conjunto da sociedade”, portanto, deve pagar “compensação financeira aos entes da federação”.

http://www.ilisp.org/noticias/proposta-de-cobranca-de-impostos-sobre-o-vento-avanca-na-camara/

2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pois é, um socialista mergulhado no capitalismo de estado selvagem, eheheh Chamar esse boca de sapo de Socialista no sentido restrito do conceito, é um crime!

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esse assunto possui muitos ângulos. Não conheço todos, mas vou apontar alguns só para ajudar no debate.
1- compensação pelo uso comercial de um bem comum. Isso acontece. As hidrelétricas precisam pagar tributos pelo uso da água para geração de eletricidade.

2- princípio de isonomia. As outras fontes de energia têm, em sua planilha, custo por insumo direto. Uma usina térmica (a gás, a lenha, a óleo diesel, o que seja) paga ICMS sobre o insumo.

3- custo de oportunidade. Ao ceder o uso de um bem comum para uma empresa, todas as outras empresas deixam de ter acesso a ele.

4-ressarcimento de impactos ambientais, sociais, etc. etc. Qualquer grande empreendimento, de qualquer tipo, sempre causa impactos em seus arredores. Teoricamente, a tributação deveria implicar em obras públicas para redução desses impactos.

De minha parte, sou contra essa tributação excessiva, especialmente em relação a geração de energia por métodos menos impactantes (não existe método sem impacto). Por esse mesmo motivo, não concordo com a tributação pelo uso da água da hidrelétrica, desde que a empresa mantenha em níveis aceitáveis a qualidade da água vertida (quanto a óleo, resíduos, etc). E as eólicas também deviam fazer esse compromisso. Mas fica estranho isentar um e não isentar o outro.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 horas atrás, Renato disse:

Pois é, um socialista mergulhado no capitalismo de estado selvagem, eheheh Chamar esse boca de sapo de Socialista no sentido restrito do conceito, é um crime!

Sentido restrito é só para religiosos e somente um cego não percebe que o direcionamento político de uma pessoa em um país capitalista, mesmo sendo de esquerda, age de acordo com tal sistema e tenta melhorá-lo. Contudo, existem os retardados que querem pegar em armas para fazer uma revolução, ou intervenção militar.  Não, tem pior, os que acham que só porque são de esquerda, tem que se basear  em Stalin ou Mao.  

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
46 minutos atrás, Dimas B L disse:

Sentido restrito é só para religiosos e somente um cego não percebe que o direcionamento político de uma pessoa em um país capitalista, mesmo sendo de esquerda, age de acordo com tal sistema e tenta melhorá-lo.

Ahã, vimos o que Dilmão fez...:D Não digo que ela fez sozinha, os 54% do povo ajudou, botou fé nela... e toda a sua comitiva, vice, ministros, 2º escalão e por aí vai...

 

46 minutos atrás, Dimas B L disse:

Contudo, existem os retardados que querem pegar em armas para fazer uma revolução, ou intervenção militar.  Não, tem pior, os que acham que só porque são de esquerda, tem que se basear  em Stalin ou Mao.  

Sim, aí eu concordo contigo, fundamentalistas de Esquerda/Direita... ambos tem o mesmo discurso de ódio...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Ypatia de Alexandria disse:

1- compensação pelo uso comercial de um bem comum. Isso acontece. As hidrelétricas precisam pagar tributos pelo uso da água para geração de eletricidade.

 

Hidrelétricas é uma coisa, vento e energia solar é outra totalmente diferente. 

Hidrelétricas inundam grandes áreas, alteram o fluxo de rios, etc... portanto a repercussão é bem diferente.

Energia solar e eólica, usando ou não usando é um recurso que praticamente não tem repercussão para os demais.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Ypatia de Alexandria disse:

Por esse mesmo motivo, não concordo com a tributação pelo uso da água da hidrelétrica, desde que a empresa mantenha em níveis aceitáveis a qualidade da água vertida (quanto a óleo, resíduos, etc). E as eólicas também deviam fazer esse compromisso. Mas fica estranho isentar um e não isentar o outro.

Eólica e solar quase não causa nenhum transtorno. Mas em alguns lugares tem essa tendência para proteger estatais, tinha um artigo na Espanha que queriam tributar quem produzia energia solar.

Citar

Em 18 de Julho de 2013 foi implantado um imposto para quem liga sua placa fotovoltaica à rede pública. Hoje, segundo a Federação de Energia Elétrica da Espanha, usar energia fotovoltaica custa 27% a mais do que usar a energia da rede.

E os prejuízos não param por ai, agora as autoridades tem direito a entrar em seu domicílio sem mandato para ver se você tem uma conexão legal ou ilegal. As penas para quem “infringir a lei”são de 6.000 à 30.000 euros.

Iñaki Alonso conta ao jornal El Mundo que o problema foi causado porque, a União Européia obriga os países a regulamentar a atividade e, como o governo não está interessado pois prefere o cidadão pagando a energia à ele, hoje está inviável de alguém implantar sistemas fotovoltaicos ligados a rede.

http://www.ecoeficientes.com.br/golpe-espanhol-as-minigeradoras-fotovoltaicas-cuidado-brasil/

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
22 minutos atrás, Renato disse:

Ahã, vimos o que Dilmão fez...:D Não digo que ela fez sozinha, os 54% do povo ajudou, botou fé nela... e toda a sua comitiva, vice, ministros, 2º escalão e por aí vai...

 

Sim, aí eu concordo contigo, fundamentalistas de Esquerda/Direita... ambos tem o mesmo discurso de ódio...

Cara, você acha que foi a Dilma e a comitiva dela, então é analfabeto político. Dá pena debater tão superficial assim. Tem que ser muito alienado para cair nessa imbecilidade. Nem há como comparar os períodos anteriores e posteriores, só pra começar. Sem contar que o principal de tudo isso, você nem comenta, discursa quase da mesma maneira que Bolsonaro e cia. Melhor falar do aumento de gays, é tosco, mas pelo menos é verdade.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 minuto atrás, Dimas B L disse:

Cara, você acha que foi a Dilma e a comitiva dela, então é analfabeto político. Dá pena debater tão superficial assim. Tem que ser muito alienado para cair nessa imbecilidade. Nem há como comparar os períodos anteriores e posteriores, só pra começar. Sem contar que o principal de tudo isso, você nem comenta, discursa quase da mesma maneira que Bolsonaro e cia. Melhor falar do aumento de gays, é tosco, mas pelo menos é verdade.

Tá, então faça um resumo do que aconteceu, já que eu sou tão imbecil a ponto de não perceber isso... quem ou quais foram os culpados pelo fracasso... nós estamos nessa merda por culpa de quem... faça a sua análise...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Agora, Renato disse:

Tá, então faça um resumo do que aconteceu, já que eu sou tão imbecil a ponto de não perceber isso... quem ou quais foram os culpados pelo fracasso... nós estamos nessa merda por culpa de quem... faça a sua análise...

Me coloque os dados do fracasso comparando países em situações similares, e aponte  porque estávamos tão na merda como nunca estivemos.  É de doer o saco ! 

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parque eólico no Brasil é furada pra agradar ambientalista, usinas eólicas custam caro e irão dar prejuízo em relação a demanda que terão que atender. O único meio de geração de energia renovável que "funfa" bem aqui no Brasil é o meio hidroelétrico, que por sinal é a melhor forma e tem bastante saída para isso aqui. Assim como a hidroelétrica a eólica também causam prejuízos ambientais aos montes, muitas espécies de aves já foram extintas, não só pelas hélices mas também por conta de terem seus fluxos migratórios atrapalhados, e no caso de parques eólicos em alto mar, como por exemplo o parque gemini nos Países Baixos, podem causam o deslocamento de espécies marítimas em alto mar. Eu sugeriria a energia nuclear, mas do jeito que o investimento científico no Brasil é podre, vai acabar dando merda, porque esse negócio de ficar comprando tecnologia estrangeira e não ter estrutura própria pra gerir o negócio direito não da certo, até porque se tivesse alguma estrutura nós mesmos poderíamos construir uma usina sem a ajuda de estrangeiros pra começar. O melhor meio é o hidroelétrico, e nós temos muito bem como fazer, mas nem tudo é rosas, para conseguir certas coisas é necessário fazer sacrifícios, vai ocupar muito espaço e vai criar problemas ambientais, mas esse pessoal tem que escolher se quer assistir sua novela da "grobo" e ter sua caixa d'água cheia sem fazer esforço ou preservar a natureza, infelizmente os dois não dá, isso aqui é América do Sul, não Europa. Mas uma coisa eu digo, não se iludam achando de parque eólico vai salvar a natureza pois também polui muito, ambientalistas só estão dando ao governo o que eles querem, motivo pra desembolsar dinheiro com coisas que não vão render a longo prazo.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
39 minutos atrás, DSD disse:

Mas uma coisa eu digo, não se iludam achando de parque eólico vai salvar a natureza pois também polui muito, ambientalistas só estão dando ao governo o que eles querem, motivo pra desembolsar dinheiro com coisas que não vão render a longo prazo.

Não tem muito a discutir sobre o que colocou, o questionamento é que apesar de ser um investimento perigoso ainda será considerado uso de patrimônio da união.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vou dar mais um "testemunho" porque já trabalhei no ramo de consultoria financeira do setor energético (faz muito tempo, então não estou atualizada com a situação HOJE, mas conhecia muito do tema uns 15 anos atrás). Não existe um único tipo de geração de energia "bom". Todo tipo de geração de energia possui vantagens e desvantagens. Por exemplo:  a) usinas solares quase só tem no deserto. Por quê? As células fotoelétricas (na época que eu seguia o assunto, note bem): 1) se estragavam rapidamente com chuva, poluição, etc, então era antieconômico em certos locais; 2) aumentavam excessivamente a temperatura próximo de áreas agrícolas e cidades, alterando clima e regime de chuvas; 3) afetavam drasticamente a vida animal, especialmente aves. Da mesma forma, b ) usinas eólicas prejudicam a rota migratória de aves e insetos; c) energia das marés tem desgaste imenso de peças -- e por aí vai. 
Então, qual é o melhor esquema de geração de energia?
- MUITOS DELES MISTURADOS! Isso mesmo. É preciso que exista um sistema que gere energia de forma estável e contínua. Diversos países usam como fonte estável a Usina Nuclear porque enquanto existir combustível, produz-se energia, chova ou faça sol. No Brasil temos a sorte de possuir muitos rios que possuem vazão suficiente para ter uma "energia assegurada" em quantidade suficiente para suprir grande parte da necessidade básica. Depois, é preciso um sistema de apoio que produza energia complementar nas variações. Essas variações ocorrem periodicamente -- por exemplo, quando ocorre uma grande seca, ou momentos em que a rede sofre impacto -- por exemplo, no horário de pico -- 18h às 22h, quando as indústrias, comércio, etc ainda funcionam, as pessoas estão indo para casa e ligando todos os chuveiros ao mesmo tempo e a iluminação pública começa a funcionar.
- Um exemplo bacana de energia complementar é o bagaço de cana, em cogeração. A cana é colhida de abril a novembro, exatamente na época em que as chuvas diminuem. A energia hidrelétrica é muito interessante porque é possível "estocar energia" na forma de água. Assim, se na colheita da cana o bagaço é usado para gerar energia, menos água precisa ser gasta e o sistema energético se torna mais estável. No Brasil a capacidade instalada de cogeração é 10 mil MW - http://www.valor.com.br/agro/4065758/capacidade-instalada-de-cogeracao-com-biomassa-atinge-10-mil-mw 
-Isso explica por que a energia eólica não é tão interessante para o Brasil. Os ventos, além de instáveis, ocorrem mais ou menos nas mesmas regiões e épocas em que as hidrelétricas estão com água sobrando (vertendo água, como se diz). Esse é um dos cálculos econômicos que precisa ser feito na formação de um parque eólico, enquanto não se desenvolver um método de "estocar vento" -- sim, isso mesmo, o que Dilma disse e muita gente riu sem saber, é verdade. Austrália e Emirados estão desenvolvendo metodologias de estocar a energia eólica em baterias ou na forma de gás comprimido injetado em rochas, só que ainda não compensa.
- No Brasil antes do desenvolvimento do atual modelo energético (que é invejadíssimo pelo mundo afora), praticamente não existiam termelétricas a gás. Hoje existem principalmente no Nordeste, graças ao projeto Malhas (conhecem? uma das coisas mais sensacionais já feitas no Brasil, malhas de gasodutos que levam o gás natural do RJ - plataformas marinhas e pré-sal - para diversos lugares do país). As termelétricas estabilizam o sistema e evitam apagões ao serem acionadas nos momentos de pico em regiões que não tem PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas). 
-As PCHs são pequenas centrais hidrelétricas que geram "a fio dágua", ou seja, com pouquíssima estocagem (represas bem pequenas). Elas adicionam muita estabilidade ao sistema, porque são "geração distribuída", ou seja, as linhas de transmissão são curtas e destinadas a consumo local. Com isso, diminui a demanda à energia das grandes centrais (Itaipú, Furnas, etc) e poupa o sistema de transmissão de grandes flutuações de carga. "Em termos de potência já instalada, as PCHs estão situadas em 3º lugar entre as fontes de energia do país com 4.126 MW gerados. À frente delas, estão as termelétricas em 2º lugar com 27,1% da capacidade brasileira (32.418 MW) e as Usinas Hidrelétricas (UHE) maiores que 30 MW, que lideram o ranking com 66,1 % (78.980 MW). Considerando quantidade, existem 436 PCHs operando no Brasil. Esse número coloca a fonte à frente das UHEs, que são 219 em todo o território nacional, e só perdendo na classificação para as termelétricas, que atingem o número de 2.974 unidades instaladas." http://www.abrapch.org.br/pchs/o-que-sao-pchs-e-cghs

De minha parte, meu maior entusiasmo é pela Energia Distribuída. Esse modelo estava sendo testado em algumas cidades de SP, e agora é admitido em vários lugares em pequena escala. É a possibilidade de cada pessoa gerar energia em sua própria casa, colocando um painel fotoelétrico. Com isso, "quebra-se" o impacto de uma imensa planta de geração solar e ao mesmo tempo aproveita-se a energia em pequena escala -- e o mais legal, vendendo o que sobra para o próprio sistema integrado.
Como podem ver, a energia é como qualquer negócio. É necessário fazer diversas contas para ver o que é viável em cada região, o que se adequa para cada situação. Não tem solução mágica nem receita de bolo. Aqui no Brasil, o modelo instalado na época da Dilma ministra era uma coisa lindíssima de se ver, vinha gente de todo mundo até o painel do ONS - Operador Nacional do Sistema - para acompanhar em tempo real o sistema interligado.
 

 

ONS.jpg

ons2.jpg

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Por quê que os carros são movidos a combustíveis fósseis? Para manter bilhões de empregos e financiamentos de setores sobre esse produto.

Por quê as energias renováveis são caras e pouco eficientes? Para que as pessoas não possam usa-las em abundância, pois assim não iriam depender da energia fornecida pela concessionária. 

O governo prevendo que inevitavelmente as pessoas estão dispostas a mudar suas fontes de necessidades, criam meios para taxar e assim garantir que continuarão recolhendo os impostos devidos ao consumo de energia elétrica. 

O governo também teme a queda de empregos. Se cair drasticamente o consumo de energia através das concessionárias, inevitavelmente ela irá falir e muitas pessoas perderão direta e indiretamente seus empregos.

Falência da concessionária acarreta em não compra de postes, transformadores, cabos de transmissão e etc; essas empresas que vendiam esses produtos farão a mesma coisa, demitirão os funcionários e outras empresas dependentes das compras feitas por esse setor também fecharão; ou seja, será um caos econômico.

Então chegamos a uma conclusão: algumas regulamentações do governo são um mal necessário para manter a ordem econômica.

 

Ps: Já sei que serei tachado de comunista e bla bla bla...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 horas atrás, Poccnn disse:

Por quê que os carros são movidos a combustíveis fósseis? Para manter bilhões de empregos e financiamentos de setores sobre esse produto.

Um dos problemas dos carros elétricos é a duração da bateria e tempo de carga. Além disso uma boa parte da energia ainda tem fonte em terma elétricas.  Quando a eficiência das baterias aumentar e ter uma carga mais rápida como nos super capacitores ai poderá valer mais a pena.

4 horas atrás, Poccnn disse:

Então chegamos a uma conclusão: algumas regulamentações do governo são um mal necessário para manter a ordem econômica.

 

Evidente que não chegamos a conclusão, pode ser a pretensa razão, mas não é algo lógico ou necessário a fazer. Se as pessoas puderem cortar custos gerando energia obviamente elas terão mas verba para investir em outras coisas, movimentando a economia.

Essa justificativa é a velha política protecionista estatal o que só atrasa a população. As companhias elétricas deveriam se tornar mais eficientes, aumentando a produtividade e cortando custos, viver sob a proteção  é o que garante sua estagnação.

É tão errado quanto quando o governo decide salvar bancos e multinacionais falidas.

4 horas atrás, Poccnn disse:

Ps: Já sei que serei tachado de comunista e bla bla bla...

Ps: Seu comunista :P

 

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Governos gostam de cobrar impostos. É da natureza deles.

Mas, cobrar impostos sobre energia é de uma burrice lamentável até para governantes. É um tipo no pé. Energia é um insumo básico pra todas as outras indústrias e atividades econômicas. Energia barata e abundante é um diferencial competitivo excelente para qualquer país. Faz florescer uma gama de outros empreendimentos que por sua vez vão pagar tributos e gerar receita pro governo.

Na linha do que a Ypatia disse, o papel do estado devia ser o de coordenar a formação de uma vasta rede distribuída integrada, permitindo e incentivando, via desoneração fiscal, entre outras iniciativas, a produção de energia das mais diversas fontes e escalas, seja por residências particulares, pequenas empresas ou grandes plantas. Deixa os empreendedores apostarem em fontes diversas e modelos de negócio variados. As melhores opções vão prosperar e as inviáveis vão sumir.

Outro ponto importante é a questão do licenciamento ambiental. É preciso achar o equilíbrio entre evitar impactos exagerados e não bloquear a produção de energia. Pode ser bonito defender a natureza a partir do conforto de uma residência urbana de classe média, mas, temos que também levar em conta que o nosso país é continental, tem muita gente ainda lavando o fiofó em bacia a luz de lamparina nos cafundós dos sertões. É preciso integrar muita gente ao mundo moderno ainda, e esse povo vai precisar de muita energia. Não podemos nos apegar demais a ideias pós modernos em um país onde parte considerável da população ainda vive quase na era pré-industrial.

1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 07/12/2017 at 17:58, Dimas B L disse:

Me coloque os dados do fracasso comparando países em situações similares, e aponte  porque estávamos tão na merda como nunca estivemos.  É de doer o saco ! 

Sabia que viria com enrolação.... Não tem nada para falar fica quieto e recolhe o rabo.... Não é questão de comparação, muito usado por Dilma para justificar cagadas, é questão de ma gestão e roubo como tantos outros... E vc, por incrível que pareça e por se dizer o sabe tudo, ainda defende pilhas como Dilma, Lula e Cia. É de doer o meu saco Zé Ruela!

 

 

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
13 minutos atrás, Renato disse:

defende pilhas como Dilma, Lula e Cia.

Não defendo Dilma presidente. Ela pisou na bola milhares e milhares de vezes, e o PT furou totalmente o mínimo bem que poderia ter feito. Mas o trabalho da Dilma como ministra das Minas e Energia foi muito bom. Quem não conhece do ramo não sabe em que "beira do abismo" a energia estava na era FHC. As apostas internacionais eram o Brasil voltar à anarquia. E não digam que privatização das teles = privatização das elétricas. Acompanhei as duas. Na era FHC dava vontade de chorar ao ver os contratos (nem era entregar de mão beijada, era dar de presente e pagar para levar). A privatização das elétricas teve um plano por trás, um plano interessante e organizado, um plano paulatino e estruturado, e os contratos foram muito bem redigidos (eu sei, analisei a maioria). Os contratos do pré-sal na época dos primeiros leilões eram de se emoldurar, tamanha a solidez jurídica. Ainda não tive a coragem de ler os contratos de agora, do Temer. Só de pensar dá vontade de chorar...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
41 minutos atrás, Ypatia de Alexandria disse:

Mas o trabalho da Dilma como ministra das Minas e Energia foi muito bom...

Essa mulher é incapaz de formar uma mísera frase coerente sem que alguém escreva o texto para ela, tenho todos os motivos para acreditar que ela não é capaz de lidar com competência em problemas técnicos complexos como esse, no máximo ela contratou alguém para fazer e assinou a bagaça, se isso é "um trabalho muito bom" me contratem que faço por um décimo do que ela ganhava.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
9 horas atrás, lonewolf disse:

Um dos problemas dos carros elétricos é a duração da bateria e tempo de carga. Além disso uma boa parte da energia ainda tem fonte em terma elétricas.  Quando a eficiência das baterias aumentar e ter uma carga mais rápida como nos super capacitores ai poderá valer mais a pena.

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

Pra quê uma bateria maior do que a que os carros já tem?

É só mudar o combustível usado.

9 horas atrás, lonewolf disse:

Evidente que não chegamos a conclusão, pode ser a pretensa razão, mas não é algo lógico ou necessário a fazer. Se as pessoas puderem cortar custos gerando energia obviamente elas terão mas verba para investir em outras coisas, movimentando a economia.

Evidente que tu não entende de economia. 

9 horas atrás, lonewolf disse:

Essa justificativa é a velha política protecionista estatal o que só atrasa a população. As companhias elétricas deveriam se tornar mais eficientes, aumentando a produtividade e cortando custos, viver sob a proteção  é o que garante sua estagnação.

É tão errado quanto quando o governo decide salvar bancos e multinacionais falidas.

Sim. Sou a favor do caos generalizado. Assim as pessoas caem na real sobre como fazer as coisas.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 minutos atrás, lightman disse:

Essa mulher é incapaz de formar uma mísera frase coerente sem quem alguém escreva o texto para ela, tenho todos os motivos para acreditar que ela não é capaz de lidar com competência em problemas técnicos complexos como esse, no máximo ela contratou alguém para fazer e assinou a bagaça, se isso é "um trabalho muito bom" me contratem que faço por um décimo do que ela ganhava.

Bom, então pelo menos havia uma pessoa (ou uma equipe) competente por trás. Em reuniões e debate nos quais compareci ela esteve diversas vezes fazendo as aberturas e, à época, não percebi o problema que depois surgiu, de incoerência verbal (só percebi depois do câncer, e atribuí inicialmente à doença ou aos remédios). Um braço direito dela à época, Maurício Tolmasquim, era realmente brilhante. Se for assim, pelo menos lhe cabe o mérito de se apoiar em quem era bom.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
8 horas atrás, Milagre disse:

Governos gostam de cobrar impostos. É da natureza deles.

O governo necessita dos impostos. 

Querendo ou não temos um estado e enquanto tivermos um estado ele precisará do dinheiro do povo para poder teóricamente devolver a população com ações sociais.

8 horas atrás, Milagre disse:

Mas, cobrar impostos sobre energia é de uma burrice lamentável até para governantes.

Não que eu seja a favor do estado, mas tu sabe o quanto o governo arrecada com impostos sobre a energia? Se ela deixar de ter essas receitas, as contas não fecham.

Repetindo: enquanto existir estado ele precisará do dinheiro do povo para poder teoricamente devolver com ações sociais.

8 horas atrás, Milagre disse:

Energia barata e abundante é um diferencial competitivo excelente para qualquer país. Faz florescer uma gama de outros empreendimentos que por sua vez vão pagar tributos e gerar receita pro governo.

Não necessariamente e não exatamente. 

Não existe uma fórmula única salvadora da humanidade. É tudo uma sintonia que cada vez mais precisa ser refinada.

Energía elétrica extremamente barata faria com que carros, caminhões e etc seriam movidos com motores elétricos colapsando a economia baseada em petróleo. 

 

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 07/12/2017 at 17:42, lonewolf disse:

Energia solar e eólica, usando ou não usando é um recurso que praticamente não tem repercussão para os demais.

Cá no meu sertão uso o sol tanto nas fotovoltaicas - energia elétrica solar - quanto nos aquecedores de água "made in eu mesmo".

Mas tenho 2  alternadores automotivos  ligados a rodas a água que "bancam iluminação" aqui de casa e das áreas externas  - lâmpadas de leds -

Por ser tudo engenhoca meio que feita aqui mesmo ou adaptada, funciona até que bem e assegura quase todo meu consumo  dá uns pitis às vezes, mas engenhocas são assim mesmo: Adquirem personalidade e tendem a revoltarem-se contra o criador... - Como Frankenstein...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Antes que alguém se meta, adianto que minhas rodas a água são abastecidas  por colunas  d'água sem necessidade de barragens.  O Sanga dos Lagarto tem  desnível de 104  metros desde lá de cima perto da nascente até aqui. Uma bela mangueira de tres polegadas lá em cima e a a água sai aqui em baixo com uma força dos capetas...São  tres quilometros de mangueira e de quebra a água que sobra é potabilíssima - consumida  sem tratamento. Um filtrinho básico e pronto.

O melhor café do mundo. Água purinha.

O chimarrão então nem se fala.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 07/12/2017 at 19:48, lonewolf disse:

Não tem muito a discutir sobre o que colocou, o questionamento é que apesar de ser um investimento perigoso ainda será considerado uso de patrimônio da união.

Sim eu notei, mas esses tipos de investimentos a união faz aos montes, como eu disse é só uma questão de dar motivo. Fiz a colocação pois o governo adora apresentar esses métodos de geração de energia como se fossem ótimos, não ocupassem espaço e não causassem dano algum ao meio ambiente.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora