Ivan de Almeida

Membro
  • Total de itens

    2.530
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    45

Ivan de Almeida last won the day on August 12

Ivan de Almeida had the most liked content!

Reputação

479 Excellent

8 Seguidores

Sobre Ivan de Almeida

  • Rank
    demented
  • Data de Nascimento

Profile Information

  • Gender
    Male

Últimos Visitantes

1.106 visualizações
  1. Seu Ateu; Sua fala é de alguém muito superficial. Porque sim, quando a ajuda é necessária ela deve ser dada. É claro que num debate desse ela é limitadíssima, mas não há ser humano que viva sem um momento de necessidade. O fato de nos desenvolvermos para a autonomia não significa que isso é o total, é o obrigatório.
  2. Bingo!
  3. Olha, quando for a uma livraria, dê uma ciscada no que houver sobre ele. Vale a pena. Fotografo há décadas, acho que já tem perto de 45 anos, ou pouco mais. Desde o início vi reproduções de fotos dele. No meu entendimento, ele é o cara que consolida a linguagem fotográfica.
  4. O cara atual julgar a humanidade é uma das coisas mais primitivas que pode acontecer. Nós somos o resultado da humanidade passada, nossa ciência que aqui é considerada "a verdade" é resultado das gerações passadas que a fazem toda hora mudar. Mas aqui se crê. Aqui é como uma igreja onde os fiéis creem. Sou o que veio se fazendo, com o passado do Brasil, o passado da família, o passado de tudo. É tolice se achar sábio no hoje.
  5. Stan, você tem dificuldade com mulheres. Não sabe se relacionar com elas. Aliás, vou dormir, boa noite.
  6. A que postei é do Cartier-Bresson. O que v0cè postou e do holandês Escher.
  7. Nós navegarmos em um mar onde só nadando... risos. E acreditam que não nadam...
  8. Hoje em dia leio pouquíssimo mas ganhei dois livros do dia dos pais. Um deles foi sobre o Henry Cartier-Bresson, talvez o melhor fotógrafo que já tenha existido. Em mim, crio que lá pelos 15 anos, eu o vi e ele desde então me deixa espantado, não canso, olho e admiro. Este que ganhei deve ter umas 350 fotos. Hoje eu vi 2/3 do livro, os 2/3 finais, e vou logo ver de novo. Estou esperando o segundo livro, do Pierre Verger, fotógrafo estrangeiro que fotografou no Brasil. Por acaso, viajando para a Argentina no início deste ano, folheei o livro no aeroporto e foi outro caso em que desbundei. Estou louco para receber. A fotografia quando é de fato transcendente torna-se uma viagem contemplativa. Este do Bresson eu peguei agora para ver o fim e... caramba. Estou tocado. Sei que estou jogando conversa fora. Aqui há um culto à brutalidade perceptiva, e este tópico será em certa dose ridicularizado. Fodan-se. Que delícia ter visto o livro. Vou ver de novo e de novo e de novo. A fotografia que vi na juventude ainda é para mim uma das referências.
  9. De modo geral, a idéia do universo divino é completamente simétrica quanto o universo ateu; Compreendo os dois. É muito difícil, compreendendo a complexidade da vida na Terra, achar que sabe e que a coisa está resolvida, assim como a bradar ateu é igualmente tolo. Minha tendência prática é o ateísmo, não rezo, não digo que algo é, etc. Mas sim, me espanto. Tudo não acaba em mim, eu mato barata mas não impeço a existência da presença. Não tenho a mínima idéia sobre o que é viver. Viver é uma história minha, uma história de um fragmento. Mas é mais do que minha, abrange tudo. Lá no fundo do mar tem vivos, lá na floresta tem vivos, no chão tem vivos, em todos s lugares da Terra tem vivos. Quanto será abundante o vivo? Sei lá. Mal sei de mim. O pensamento ateu é tão religioso quanto o pensamento crente. Nos dois modos se assume uma idéia, uma explicação, quando o bicho só sabe mesmo nascer e morrer, e nem isso de fato sabe. Aqui é um lugar de um tipo de crentes.
  10. Eita... Não é pensar em mulher perfeita, é ter com uma mulher um acordo amoroso sincero
  11. Pensar em sociedade perfeita é tocar punheta
  12. Bem, já falei, deixa prá lá.
  13. Humilhar? Isto não existe. Existe viver.
  14. Sim, pode ser que seja ela que escolhe, mas você tem de aderir. Quanto às barbaridades do mundo, a vida é assim, devemos saber viver.
  15. Eu acho interessante a questão, Marcelo. Lá nos anos 70 quando eu era universitário, tive algumas namoradas. Olhando acho haver certa semelhança entre elas, embora não em certas coisas. Um tempo louco no qual conheci minha mulher. Meu interesse em amigos é quase zero, tenho alguns amigos, mas são raros, aliás vou hoje de noite sair com eles, mas é raro. Mas as amigas são fáceis de conversar. Interessante, o dono do restaurante que como é um bom amigo, tem suas namoradas, mas é uma pessoa calma e sincera, não é um competidor.