Ivan de Almeida

Membro
  • Total de itens

    2.210
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    41

Ivan de Almeida last won the day on April 16

Ivan de Almeida had the most liked content!

Reputação

416 Excellent

7 Seguidores

Sobre Ivan de Almeida

  • Rank
    demented
  • Data de Nascimento

Profile Information

  • Gender
    Male

Últimos Visitantes

1.001 visualizações
  1. Atik, uma vez eu fui no Museu de Belas Artes, ali no Centro, e estavam mostrando pinturas dele, Portinari. Até então só tinha visto em fotos. Caramba, que incríveis as pinturas! Sensacionais, enormes, etc.
  2. Meu pai era louco prá caramba. A família da minha mãe, também ateia, era "engajada". Acho que sou mais ateus que eles, porque nascido assim o assunto nem me fascina.
  3. Obrigado. Gostei muito. Gostei mais do inicial.
  4. Sabe tudo, Seu Atik.... Vou filar coisas de você... Tenho uns disquinhos, ouço, mas você é mais vasto...
  5. Essa do Satie é uma cachaça - risos. Valeu
  6. Se eu fosse classificar sua resposta usaria "burrice".
  7. O grande problema da pergunta "o que é a arte" é querer que sua resposta esteja no modo social de responder. E isto é uma armadilha terrível, na qual há uma parte correta na pergunta e uma parte não formulada. Dentro do mundo social, a arte tem função decorativa, indutiva, hierarquizadora. Vejamos a arquitetura. Olhamos para uma obra de arquitetura e ela nos parece natural, a porta grande no lugar da porta grande, o espaço no lugar do espaço. Mas... mas a porta grande, o espaço são indutores de comportamentos, assim a arquitetura é útil em uma ordem social vigente. Mas para isso funcionar na arquitetura maior é preciso saber ordenar a percepção. Proporção das fachadas, das portas, do espaço. Indução de sentir o espaço assim ou assado. Onde está a distinção do prático e da arte? Ora, uma das coisas distintivas é que o envolvimento estético induz ao comportamento. Por que? A pergunta é interessante porque o belo parece inútil. Por que o belo? Por que o homem se deixa envolver, se deixa comportar dentro da estética? Bem, aparentemente há uma relação psicológica entre o arranjo das proporções e a estética. O maior problema não é esse. O maior problema é a mentalidade atual que deseja, insiste em tornar tudo exato, mas, pior, sem conhecimento real dos efeitos sobre o ser humano. Há ainda outro problema... No treinamento para comover se avia além da objetividade, passa a acontecer música, pintura, escultura, ballet que estão fora dos meios de produção. As pessoas buscam não para produzirem, mas para se deliciarem. Enfim,
  8. Ricardo, consertei a mensagem, não era para você, era para a outra pessoas. Peço imensas desculpas, creia, é a pior coisa aborrecer alguém que não tem razão nenhuma para aborrecermos.

    Um abraço grande. Leia lá que verá que consertei

  9. Ricardo, errei. Não era você a referência, mas na hora de criar um vínculo vinculei errado. Desculpe-me, estou muito sincero neste pedido de desocupas, o que escrevi nada tinha com a sua escrita
  10. Lonewolf Cara bom de julgar o mundo... O mundo é fácil de julgar... Posso lhe dar um conselho... pare de tocar punheta e busque a vida de verdade. Isto dito é tão tosco que só um adolescente fraco reclama...
  11. Besteirol... 1) Nossa chances de nos tornarmos uma Arábia é nenhuma; 2) você julga as arábias por casos isolados;
  12. Aí está o besteirol. Torcer para o Flamengo eu torço, o Flamengo perde, "foda-se". Mas em relação às buscas, ao entendimento, não torço.
  13. Bem, nos não sabemos nada sobre a matéria, que conforme examinada, no detalhe examinado, podemos ser coisas, podemos ser vibrações, podemos ser um nada. A existência é incognoscível, buscar saber é ser religioso. Hoje, quase na véspera dos 64 anos, penso que buscar saber viver é muito, muito superior a buscar saber o que é a existência. E saber viver não inclui certezas, convicções científicas, nada disso. Saber viver é só "o que é melhor agora", "o que é amar os amados". Vou à cidade, votar numa instituição relativa à profissão que tinha... Abração a todos vocês, sonhadores.
  14. Deixa prá lá.
  15. Não me tornei ateu. Nasci ateu.