Hiena Implume

Membro
  • Total de itens

    1.403
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    34

Hiena Implume last won the day on June 27 2016

Hiena Implume had the most liked content!

Reputação

453 Excellent

Sobre Hiena Implume

  • Rank
    Cinicosexual
  • Data de Nascimento

Profile Information

  • Gender
    Not Telling
  • Location
    Botucatu, S.P
  • Interests
    Niilismo, hienas, os deuses, suicídio, puzzles, cinismo, mais hienas, e sarcasmo.

Últimos Visitantes

10.286 visualizações
  1. "Aconteceu comigo". Muita merda acontece com muita gente, e nem por isso tal possui alguma validade epistemológica. Por exemplo, estatisticamente é fácil encontrar algué que presenciou Kali (a deusa hindu) curar um parente do câncer, e nem por isso você, Franco Vieira, as considera como algo relevante. O ponto é que tais coisas possuem literalmente ZERO valor epistemológico. Porém mamíferos tender a considerar eventos que acontecem consigo mesmo como algo especial a parte, a pífia falácia a qual gosto de chamar (embora não tenha esse nome formalmente) de factum mea ergo ego sum lux (latim para: "fato aconteceu comigo, logo eu sou a luz").
  2. Dessa temporada: Kabaneri. ótima ação, ótima arte a animação, é dos tipos que se assiste pela adrenalina, não pelo enredo, já que o anime segue em suma maioria a famosa Rule of the Cool. Um dos melhores traços que conheço, a Mumei tem aquela cara perfeita que da vontade de imprimir para colar em minha parede e ficar observando: Spoiler do primeiro episódio:
  3. O suicídio assim como qualquer evento físico é desprovido de valor e qualidade, consequentemente não pode ser nem algo de coragem nem de covardia. Tais valorações só surgem a posteriori através da metafísica humana. Assim, se para a metafísica (esse surto psicótico generalizada) do suicida tal ato é covarde, então no caso dele o suicídio foi covardia. Todavia se para tal suicida o ato é de coração, então o suicídio foi corajoso. O mundo é objetivo e neutro, e não existem valores; se tal ato é corajoso ou covarde vai depender da metafísica de que cometeu o ato.